Plano Nacional de Energia deve definir destino energético do Brasil

Com aumento populacional acelerado e migração da população do interior para os centros urbanos, a estimativa realizada pelo Ministério de Minas e Energia é de que o Brasil deverá alcançar a marca de 226 milhões de habitantes até 2050.

Devido a tal crescimento, o PIB per capita, que em 2013 foi de US$ 11.208,08, deverá atingir valores entre US$ 36 mil e US$ 42 mil. Além disso, a quantidade de veículos leves pelas ruas deve atingir os 130 milhões, chegando ao patamar da Alemanha.

Os levantamentos que constam no documento Cenário Sócio-Econômico e Demanda de Energia, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), estão subsidiando a elaboração do Plano Nacional de Energia (PNE) 2050, do Ministério de Minas e Energia, que define as políticas energéticas do país e, consequentemente, os planos de investimentos futuros.

Os números assustam, devido à incerteza da capacidade do Brasil de oferecer planejamentos eficientes para dar suporte energético a todo o país.

Segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Altino Ventura, a melhor solução será fazer a transição para a termoeletricidade, achando um caminho que combine três fontes: gás natural, carvão e nuclear: “O potencial hidrelétrico brasileiro não tem condições de atender as demandas até 2050″.